Simulador para trabalhos em espaço confinado II


A indústria de petróleo e gás tem demandado muita qualificação dos profissionais envolvidos e as empresas do setor precisam investir na capacitação de seus empregados. Para isso, desenvolvi este outro projeto de simulador para trabalho em espaços confinados, cujo cliente, uma empresa que efetua limpeza em tanques de embarcações pretende economizar gastos com treinamento externo e aprimorar suas técnicas de execução de serviços em espaço confinado.


Quando assumi o projeto, a maior parte desta estrutura já estava pronta, pois outra empresa motivada pelas mesmas intenções havia preparado os contêineres e o tubulão de acesso vertical. Entretanto a idéia foi abandonada e a estrutura ficou armazenada em uma área de estocagem sofrendo degradação. O primeiro passo foi fazer um levantamento métrico preciso, visando conhecer a concepção do modelo e identificar eventuais pontos de correção.
  

A partir dos desenhos técnicos foi feito o estudo da estrutura e foram corrigidos alguns pontos que comprometiam a segurança dos participantes do treinamento. Haviam compartimentos extremamente confinados que poderiam dificultar o resgate durante o próprio treinamento, transformado a aula em uma situação de emergência real.


Alguns acessos também estavam indefinidos e a utilização da cobertura do contêiner superior como área de treinamento não estava prevista, impossibilitando o treinamento para trabalho em altura. Para melhor aproveitamento da estrutura e aumento do potencial de treinamento foram estabelecidas adaptações estruturais que aumentaram a gama de manobras e situações para treinamento.


Foi instalado um monopé para trabalho em altura na cobertura, criada uma escada de acesso externa para fácil acesso aos níveis de trabalho, patamar intermediário para abertura das portas do contêiner de segundo nível, previsão de instalação de câmeras com infravermelho, válvulas para treinamento de bloqueio, lacre e etiquetagem, escada interna para circulação, alçapões de acesso e guarda-corpo superior com resistência para ancoragem de escaladores industriais.



Projeto ecológico chinês

Vejamos este projeto chinês na área montanhosa de Miaofeng, localizada a cerca de 30 km a oeste de Pequim, que irá se tornar uma espécie de Vale do Silício ecológico. Próxima à metrópole urbana de Beijing, a nova cidade vai combinar institutos de pesquisas científicas com foco em inovação, meio ambiente e desenvolvimento de tecnologias de ecoeficiência urbana.

Além disso, o projeto prevê a criação de vilas sustentáveis, com capacidade para até 50 mil pessoas. Quem assina o design é a empresa finlandesa Eriksson Architects, em colaboração com a consultoria Eero Paloheimo. Com ambições de neutralização das emissões de carbono na atmosfera, o Mentougou Eco Valey pretende reduzir em um terço os impactos ambientais comparados com o de uma cidade tradicional de tamanho similar. Atualmente, o projeto aguarda aprovação das autoridades chinesas para poder captar recursos junto a investidores.

Tragédia na Região Serrana

Um relatório do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio de Janeiro (CREA/RJ), baseado em verificações feitas 2 dias depois da tempestade que atingiu a região serrana do Rio de Janeiro, em janeiro de 2011, concluiu que a tragédia poderia ter sido bem menor. Embora a tempestade seja um fenômeno natural, a destruição foi causada pela degradação ambiental e pelas construções irregulares em áreas de risco.

Para entender a naturalidade do fenômeno ocorrido, devemos conhecer que a formação do petróleo encontrado na camada pré-sal, hoje a maior esperança de desenvolvimento brasileiro, só foi possível por causa dos sedimentos provindos da Serra do Mar que soterraram as rochas carbonáticas onde hoje estão presas as acumulações de petróleo.

Estima-se que a 113 milhões de anos atrás, quanto os continentes sul-americano e africano estavam se distanciando, as serras de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis possuíam 8 mil metros de altura. As serras foram sendo desgastadas pelo tempo através dos escorregamentos de material argiloso e os sedimentos foram carregados pelos rios que descem a serra, depositando-se no fundo do proto Oceano Atlântico.

 
O desmatamento nas cabeceiras e a contenção dos rios, o corte de matas ciliares e as construções irregulares estão entre as principais causas da tragédia. Às vezes temos uma área que não era de risco e, com o tempo, pelo desmatamento, ocupação irregular e pela ação cumulativa da própria natureza, esta área torna-se perigosa.


Quem não entende do assunto acha exagerada a importância que se dá ao desmatamento, mas a explicação é simples. Quando há árvores, o impacto da chuva no solo é amortecido. A água bate nas copas das árvores e escorre pelos galhos e pelo tronco. Se a chuva bate direto no chão, a terra vai se soltando mais rápido. Quando há floreta, há mais matéria orgânica no chão e a água infiltra melhor no solo. Sem esta cobertura de proteção do solo a terra se solta com mais facilidade.

 
Com mais de 800 mortos, centenas de desaparecidos, milhares de desabrigados e desalojados e uma área imensa para se recuperar, o saldo da tragédia na região serrana é enorme e situações como esta, expõem a falta de planejamento e descuido de autoridades e da população com um problema que se não pode ser evitado, pode pelo menos ser mitigado.

Apresentação do projeto de restauração Fluminense Football Club

Confira abaixo o filme de apresentação do projeto de restauração Fluminense.

video

O projeto também foi comentado nos meios de comunicação sendo a principal matéria publicada no jornal Lance! no dia 02 de janeiro de 2006.


Projeto do edifício administrativo do Fluminense Football Club

A construção de um edifício que abrigue as atividades administrativas vem da necessidade de liberar os espaços da sede para a implantação do centro cultural, além de ser importante também na melhoria das atividades do Clube em geral. O Fluminense possui uma área vazia, remanescente da demolição da arquibancada do estádio, em 1961, situada na esquina das ruas Pinheiro Machado e Álvaro Chaves, ao lado da sede. Por ser fruto de demolição, esta área atualmente é indefinida no contexto urbano e o projeto tem como objetivo, valorizar a esquina do Fluminense, harmonizando a malha urbana local.

demolição da arquibancada do estádio em 1961

A edificação possui aspecto moderno, mas é inspirada nos ritmos de fachada e distâncias métricas do edifício da sede. O volume da edificação é definido pelas linhas de afastamento das ruas Pinheiro Machado e Álvaro Chaves, respeitando ainda o gabarito previsto no Código de Obras Municipal de 3 pavimentos. Com o edifício administrativo, o Clube ganhará destaque na rua Pinheiro Machado e passará a ter novamente uma presença marcante no bairro de Laranjeiras. Seu planejamento segue uma arquitetura contemporânea que contrasta de forma harmônica com o estilo art-decó da sede, pois ambas as edificações têm as mesmas proporções métricas.


O edifício possui então 3 pavimentos suspensos sobre pilotis, com planta livre, para maior flexibilidade aos espaços interiores. Nele foi previsto espaço para departamentos esportivos, diretorias, vice-presidência, secretaria, sala de reuniões, processamento de dados, arquivo e sala de marketing.


A área total do edifício é de 1 161,30m². Os planos das fachadas serão feitos de concreto armado e cortina de vidro termo-acústico com inclinação que diminuirá a incidência da luz solar direta e o ruído proveniente do trânsito na rua Pinheiro Machado. Foi previsto elevador de acesso e climatização.


Claro que os custos de construção e manutenção da obra foram considerados. As premissas para a realização da obra eram atender às necessidades do Clube, valorizar seu patrimônio, recompor seus espaços hoje descaracterizados, ter uma identidade própria, considerar e respeitar o patrimônio histórico e as posturas municipais e estaduais, ser realizável, oferecer impacto ambientalmente compatível e inserção positiva no bairro de Laranjeiras. Sempre há limitação e todas estas premissas foram atendidas.

A construção do edifício administrativo trará um acréscimo de área para o Fluminense. A modernização, o investimento em infra-estrutura e o aprimoramento das suas atividades permitem que o Clube reafirme sua posição de elite no esporte nacional.

Projeto de restauração da sede do Fluminense Football Club


A sede do Fluminense, incluindo a parte do estádio, foi fundada em 1919. Projetada em estilo eclético pelo arquiteto Hipólito Pujol, a sede deveria constituir na época, o maior complexo social-esportivo do país, o que de fato aconteceu. Em 1922 foram feitas obras de ampliação para realização dos Jogos Latino-Americanos e o estádio passou a ter capacidade para 20 mil torcedores. Empreendimento majestoso na época. Em 1961, a cidade do Rio de Janeiro havia se expandido e o Fluminense teve parte de seu terreno desapropriado para o alargamento da Rua Pinheiro Machado e isso sacrificou todo o seu patrimônio pela perda de parte da arquibancada do estádio.


O acervo artístico do Fluminense é riquíssimo. Além do patrimônio arquitetônico, o Clube possui valiosas peças de pintura, escultura, troféus, afrescos e vitrais. Apesar do valor inestimável, tudo isso atualmente está muito mal conservado. A intenção do projeto de restauração é de transformar a sede em um centro cultural e transferir a administração do Clube para um prédio anexo que seria construído ao lado da sede, na esquina da Rua Pinheiro Machado com a Rua Álvaro Chaves, objetivando recompor parte do prejuízo causado pela demolição de 1961.




Em outubro de 2000, quando iniciei os trabalhos de levantamento do projeto de restauração, a situação já não era boa. Em 2001 o projeto foi aprovado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural, incluindo a construção do edifício anexo, mas os serviços foram paralisados por falta de recursos. Em 2005 um novo lançamento do projeto foi realizado no sentido de captar os recursos necessários para a realização das obras, mas não houve avanço. Passados 10 anos desde o início do projeto, recentemente o Fluminense fez um novo lançamento de uma reforma na sede do Clube, sinal de que nada deve ter mudado ainda.



O centro cultural deve desenvolver programas técnicos de catalogação e pesquisa de informações esportivas e artísticas, além da realização de atividades de teatro, música e vídeo, cinema, ciclos de palestras, seminários e exposições do acervo histórico. Foi prevista a remodelação do restaurante, uma biblioteca multimídia, um “pub” e uma nova sala de troféus. Tudo em ambiente climatizado e monitorado quanto à segurança. O projeto é baseado na flexibilização dos espaços e numa planta simplificada que facilite os acessos e torne a orientação bem clara.



Sobre o projeto do edifico anexo, previsto para a administração, falarei em outra ocasião. Em toda a sua história o Fluminense sempre realizou atividades ligadas às artes. A década de 1942 a 1952 foi a mais completa do Clube, quando o Fluminense ganhou o Mundial Interclubes. O Fluminense era futebol campeão, mas também centro de artes, de concursos de música, de desfiles de moda e de movimentos sócio-políticos. Hoje o Clube ainda promove atividades culturais com menor intensidade. O teatro foi desativado, mas o salão nobre da sede social possui um excelente espaço para o desenvolvimento de eventos artísticos.


A criação deste centro cultural tricolor possibilitará que o Fluminense seja, mais uma vez, pioneiro entre os clubes brasileiros, tornando-se novamente apto a desenvolver projetos culturais e ao mesmo tempo, manter e divulgar sua história que se confunde com a própria história do Rio de Janeiro. A preservação dessa memória está acima de uma política local: conservar a história do Fluminense é contribuir para a preservação da própria memória brasileira.


Arquitetura insustentável

Disse uma vez o renomado arquiteto Edson Musa:
 - O edifício comercial deve ser o transatlântico parado na calçada!
Será mesmo? Você concorda?


Luxo e conforto eles costumam ter. Beleza eu não vou discutir! Para se construir um edifício desses é necessário assumir um custo operacional altíssimo que não onera apenas os condôminos e proprietários, mas a sociedade como todo. Estes edifícios consomem muita energia porque não são planejados objetivando eficiência energética e equilíbrio ambiental. Eles são frutos da especulação imobiliária e ao invés de buscar integração com o meio ambiente externo eles agridem a paisagem para chamar a atenção.


Para sustentar o consumo de energia destes edifícios é necessário que a humanidade faça grandes intervenções na natureza, inundando imensas áreas de terras férteis, produzindo lixo atômico e materiais artificiais de difícil decomposição, que contrariam as leis da natureza, da biodiversidade e da vida. O pior é que acabamos por gostar destes edifícios em função da propaganda que é feita sobre estas obras que passam a ser copiadas também nas cidades do interior, competindo com os estilos e funcionalidades urbanas regionais.


A natureza, para se manter viva, necessita consumir e transformar energia e, para isso, busca sempre a forma mais econômica de crescimento e sustentação. É assim com as árvores por exemplo. Mas estas construções não possuem esta premissa. Quando um empreendimento no Brasil copia os modelos do capitalismo norte-americano, aplicando em sua fachada grandes partes envidraçadas, ele aumenta o seu custo de climatização e conforto térmico, produzindo também níveis descontrolados de luminosidade interna ou externa, causados pela reflexão dos raios solares.


Em Nova York e na Europa, os edifícios envidraçados se justificam em função do clima frio e da necessidade de reter calor. Lá estas grandes superfícies envidraçadas funcionam como estufas que mantém a temperatura interior aquecida. No Brasil, salvo em algumas regiões, este artifício não se justifica. O que dizer sobre o edifício sede do BNDES, situado no Rio de Janeiro? Um prédio preto, enorme e todo envidraçado, exposto a sol intenso e a temperaturas elevadas. Felizmente o Banco é rico e pode pagar a conta de luz com o dinheiro dos nossos impostos!


No século passado ainda se tentou desenvolver uma arquitetura genuinamente brasileira e adaptada ao clima de cada região, mas atualmente o que prevalece é mesmo a cópia do modelo norte-americano. Os estudos e aplicações do “brise soleil” - paletas verticais ou horizontais utilizadas nas fachadas dos edifícios protegendo as janelas - levaram a edificações extremamente funcionais como a do Edifício Portobrás, em Brasília, construído em 1974 pelo grande arquiteto brasileiro João Filgueiras Lima, o Lelé, onde ele desenvolve métodos naturais de ventilação dos ambientes internos da edificação, tornando o ambiente agradável e evitando uso excessivo de ar condicionado.


Na figura acima podemos perceber o Edifício Portobrás com sua fachada protegida por reentrâncias e “brise soleil” e por trás um edifício com a fachada envidraçada. O aspecto confuso da fachada do edifício posterior se deve aos aparelhos de ar condicionado e cortinas tipo “blackout”, colocadas para bloquear os raios do sol.

Estação de Tratamento de Efluentes – ETE


O Piscinão de Ramos, no Rio de Janeiro, é abastecido de água por uma estação de tratamento que coleta água salgada da própria Baía de Guanabara e a lança no lago após descontaminação. Os indicadores de balneabilidade são ótimos após o tratamento. A água não é potável, mas é fantástico observar a diferença de qualidade após o tratamento.

A ETE utiliza uma tecnologia conhecida como flotação em fluxo. Existe um canal fechado, por onde a água passa e ocorre a flotação dos sólidos em suspensão.

captação de água               canal de cloração

Os sólidos se acumulam na superfície pela injeção de micro-bolhas de ar, formando um lodo, que é recolhido por uma roda coletora.

ventiladores de fluxo            injeção de micro-bolhas

Dois ventiladores de fluxo são posicionados na entrada do canal gerando uma corrente de ar que empurra o lodo em direção à roda coletora.

roda coletora

A água segue depois para um tanque de cloração onde recebe tratamento anti-bacteriológico, desinfecção e correção do Ph. Ao final, a água cai em uma cascata de aeração e é bombeada para o lago salgado. O maquinário fica abrigado em um módulo de equipamentos e em duas casas de bombas, sendo uma de captação de água e outra de transbordo.


tanque de cloração                 cascata de aeração

Acompanhar a montagem desta estação foi para mim, na época, algo desafiador porque eu estava recém formado. Foi este trabalho que me motivou a estudar gestão ambiental. Coincidentemente, um dos fiscais da obra, por parte da Petrobras, o mestre Antônio Luiz Peres, foi ser meu professor no curso da UFF, na disciplina “Gerenciamento de recursos hídricos e efluentes na indústria”.


Instrumentos de análise da água

Geodésica III

Esta geodésica foi montada em abril de 1999, para servir de cenário em uma manifestação popular que relembrava os 3 anos do caso que ficou conhecido como “O massacre de Eldorado dos Carajás”, no Estado do Pará, onde 19 trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem Terra foram mortos em um confronto com a polícia. Ela foi montada na entrada do prédio da Central do Brasil, no Rio de Janeiro.



Durante o evento, foram dispostos 19 caixões dentro da estrutura. Como esta geodésica era derivada de um tetraedro (o poliedro mais simples), e por questões econômicas a freqüência de divisão dos polígonos não era muita, sua forma ficou bem parecida com uma pirâmide e acabou proporcionando uma atmosfera meio exotérica ao evento.



Apesar do formato piramidal oferecer menos efeito visual que o esférico, este modelo apresenta algumas vantagens consideráveis. O acesso ao interior é mais fácil, pois os polígonos da base são mais verticalizados e facilitam, por exemplo, a instalação de esquadrias. A cobertura também é favorecida porque apresenta planos mais lineares e com inclinações muito parecidas com a dos telhados convencionais. Aliás, este modelo geodésico se parece com aqueles polígonos de tubos e lona branca, de montar, e que se utiliza em festas.